domingo, 27 de dezembro de 2015

Munique: o que fazer?

Oláááá! Tudo bem? Finalmente, terminando as “pendências” de 2016. Vamos ver o que Munique pode nos oferecer. IMPORTANTE: ainda tem muitas outras atrações nessa cidade tão linda. No entanto, não tivemos tempo para visitá-las. O que isso significa? O que isso significa? Que teremos que... voltar!!!! Ha ha ha... Mas enquanto isso não acontece, vamos ver o que conseguimos fazer por lá...


Para começar, escolhemos usar o ônibus hop-on hop-off. Há três empresas que fazem o city tour dessa forma. Nós optamos pela Gray Line porque era a única que levava ao Allianz Arena. Eu gosto MUITO de fazer os passeios nas cidades que visito com pouco tempo nesse tipo de transporte. É prático, não muito caro e você consegue ter uma visão geral da cidade. No entanto, em Munique, considero que foi um gasto à toa, que não valeu a pena mesmo. Por quê? Para começar, foi muito demorado: poderíamos ter feito muito mais coisas usando o transporte público. Seria mais rápido e mais barato. Até mesmo visitar o Allianz Arena poderia ter sido de U-Bahn. Além da demora, achei o serviço MUITO ruim: motoristas azedos (o que nos levou ao Allianz era um ogro!) e os guias meio sem vontade de estar ali. Então, no caso de Munique, eu recomendo que os passeios sejam feitos de transporte público mesmo. Há diversos tipos de bilhetes e a princípio pode parecer meio confuso, massssss, depois que você pega a manha, tudo se resolve. Para ajudar nessa aparente difícil tarefa, há um post publicado no Sundaycooks que explica, de uma forma bem clara, qual passe escolher e como comprar esses bilhetes na maquininha. Confira aqui.

Bayern ticket
Comprando os tickets

Para vocês verem como foi demorado, só descemos em três lugares: Castelo de Nymphenburg, BMW Museum e BMW Welt e Olympiapark (para trocar de ônibus para o Allianz Arena). Vou falar um pouco sobre esses três locais visitados:

Castelo de Nymphenburg

O Castelo de Nymphenburg foi dedicado à deusa Flora e suas ninfas (o que gerou o seu nome). Era residência de verão dos monarcas da Baviera. Nós não entramos, mas o interior do palácio pode ser visitado.


Castelo de Nymphenburg

Castelo de Nymphenburg
Nos jardins do Palácio...

BMW Museum e BMW Welt. 

Conjunto que compreende o Mundo BMW, a fábrica e o Museu de Oberwiesenfeld e possui a maior coleção de BMW do mundo. 


Mundo BMW

BMW
Como se eu gostasse MUITO de moto, né? Ha ha ha...

Olympiapark. 

Com 3 m2, foi construído para os Jogos Olímpicos de 1972. Foi aqui que fizemos a corrida Sommernachtslauf e a transferência do hop-on hop-off para o Allianz Arena. Além dos estádios e do complexo esportivo, há uma torre de tv (Olympiaturm) de 290 metros de altura. É possível subir a torre, pois em seu topo há uma plataforma de observação e um restaurante. O que eu gostei da torre foi a indicação, em seus vidros, do que poderia ser visto e alcançado se seguíssemos aquela direção. Achei ótimo, pois nos dá uma noção de localização que eu adoro!

Olympiaturm
O que encontrar seguindo nessa direção?

Olympiaturm
As imagens no vidro da torre te dizem o que achar

Olympiaturm
Achei MUITO legal isso...


Olympiaturm
Vista da Olympiaturm

Allianz Arena. 

Fica na área norte da cidade e é sede do FC Bayern München e TSV 1860. Há tours nos dias em que não acontecem jogos e também tours para fans, VIPs e crianças. Não conseguimos fazer o tour pelo estádio porque não daria tempo de pegar o bus hop on hop off para voltar (até nisso foi ruim).

Outros locais que visitamos, mas em outros dias e sem a necessidade do hop-on hop-off foram:


Bayern Munchen

Englisher Garten. 

Com 5 m2, está no centro da cidade. Os visitantes podem correr, caminhar, andar de bike, de pedalinho ou apenas descansar na sombra de árvores. Ele possui alguns bier garten. Nós fomos no da Paulaner.

Paulaner

Centro de Documentação do Nacional-Socialismo de Munique – Centro de Aprendizagem e Memória da História do Nacional-Socialismo. 

Museu dedicado à história do Nazismo, inaugurado em abril de 2015. Justamente por ser uma atração nova, ele estava com entrada gratuita e oferecendo, inclusive, audioguides. A exposição permanente apresenta fotografias e vídeos que retratam a época, desde as grandiosas manifestações militares até a destruição da cidade pelos bombardeios aliados. Ele está localizado onde ficava a famosa “Casa Marrom”, a sede do partido nazista em Munique. Esse Centro de Documentação fica próximo à Karolinenplatz e à região das pinacotecas. Vale a pena ser visitado para que as pessoas possam refletir sobre vários aspectos da democracia e da sua fragilidade quando não são respeitados os direitos das minorias.


Centro de Documentação do Nacional-Socialismo de Munique
Entrada do Centro de Documentação

Residenz

Antiga residência dos reis da Baviera. É um local gigantesco, onde você anda, anda e se sente perdido. E olha que eu tenho um senso de direção excelente. Há três locais para serem visitados e você paga pelo ingresso de cada um (se for visitar os três, há um descontinho no valor do ingresso): o museu, a parte do tesouro e o teatro Cuvilliés. Para os dois primeiros há a possibilidade de usar os audioguides disponíveis gratuitamente e em cinco idiomas diferentes (Alemão, Inglês, Francês, Italiano e Espanhol).

Próximo ao local da entrada está a Grottenhof, uma gruta revestida de cristal, conchas coloridas e tufo calcário. É a partir dela que se tem acesso ao Antiquarium, um lugar muito ornamentado. Voltando pelo mesmo caminho, chega-se à Galeria Ancestral, com fotos de todos os reis da Baviera. A partir daí, fomos ao segundo andar. O andar superior do museu é uma coisa doida: muitas salas e muitas peças de porcelana. A parte destinada ao Rei (uns 20 aposentos) estava fechada para reforma. Agora imagina: se a gente já andou horrores sem essa parte, quando a outra estiver disponível vai ser como? Um dia inteiro de passeio praticamente. Depois de explorar toda a parte superior, terminamos a visita. Ahhh, importante: chega em um ponto, há uma bifurcação que permite ao visitante ir por um caminho mais longo ou parar a visita por ali mesmo. Nós fomos pelo mais longo, claro, mas achei interessante a questão de haver a possibilidade de a pessoa desistir, já que é um local muito grande MESMO!


Grottenhof
Grottenhof

Visita ao Museu encerrada, fomos para a Schatzkammer, a Câmara do tesouro.  É tanto luxo que me senti incomodada com tanta futilidade. Além das insígnias reais, peças de liturgia e diversos objetos de uso cotidiano, a câmara do tesouro abriga joias e peças de ouro. A principal atração de uma das salas é a estátua de São Jorge.


Tesouro
A famosa... Tirei meio com medo de alguém reclamar... 

Residenz
Mais tesouros...

Cuvilliés-Theater. É considerado o mais belo teatro rococó que restou na Europa. O acesso a ele é feito por fora do museu. Ele foi destruído na Segunda Guerra, mas o seu interior no estilo Rococó Germânico foi removido e guardado em um local seguro. Após a guerra, ele foi instalado novamente. 


Cuvilliés-Theater
Uma parte do teatro


Ao lado da Residenz há o Hofgarten, um jardim muito aprazível para descanso.


Hofgarten
Hofgarten

Deutsches Museum. 

Voltado para a tecnologia e a engenharia. Abre diariamente das 9 horas às 17 horas. As 20000 peças do museu ocupam sete andares, sendo que os de baixo contam com veículos pesados e seções de química, física, instrumentos científicos e aeronáuticos. Os andares intermediários exibem arte decorativa e os de cima são dedicados à astronomia, computação e microeletrônica. Não tivemos tempo de conhecê-lo, mas na nossa próxima ida, com certeza, iremos, pois tenho certeza de que é um lugar fantástico.

Espero que tenham gostado da visita a Munique.

Até quarta-feira

Um super beijo

Carolina

Assine nossa newsletter



Sobre o Autor:
Carolina Belo Sou Carolina Belo, Bióloga e Turismóloga. Busco sempre ser feliz e ver o lado positivo de tudo o que acontece na vida. Gosto de viajar e participar de corridas pelo mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita. Fique à vontade para dizer o que achou do post... Seus comentários são super bem-vindos... Um super beijo...