16 abril 2017

O que fazer em Chapecó, a Capital do Oeste Catarinense

Olááá! Tudo bem? Conforme prometido no post anterior, hoje falarei sobre a nossa viagem a Chapecó. Essa cidade é considerada a Capital do Oeste Catarinense. Então, vamos conhecer um pouco mais sobre essa localidade...

Além desse título, Chapecó também é chamada de capital brasileira da agroindústria e capital catarinense de turismo de negócios. Foi uma cidade totalmente planejada e seu traçado é em forma de xadrez. Não é legal?


Um pouco da história de Chapecó

A palavra Chapecó tem origem na língua Kaingang (Caingangue), que pertence à família Jê. São vários significados como “Chapadão Alto”, “Chapéu feito de Cipó” e “Põe no chapéu”. 

Atualmente, a versão mais aceita é que Chapecó vem da fusão dos termos “echa” + “apê” + “gô”. Isso significa “donde se avista o caminho da roça”.

A cidade foi fundada em 25 de agosto de 1917. Antes o nome era escrito com “X”, uma vez que é de origem indígena (Xapecó). Com o tempo, o governo da cidade preferiu mudar o “X” para “CH” e assim ficou até os dias de hoje. 

Essa curiosidade pode ser vista no código IATA do aeroporto que é XAP.

Nosso roteiro por Chapecó

Na verdade, quem montou o roteiro para essa viagem foi o nosso amigo Marcelo Jacoto. Eu estava completamente alucinada com o projeto #VEDA e #BEDA (mais a viagem a São Paulo para a WTM e mais as atribuições dos meus outros dois trabalhos).

Por isso, não consegui parar para olhar o que deveríamos fazer e tals. Quando ele me mandou, dei uma olhada por alto e achei tudo ótimo. Obrigada Marcelo!

Otávio e eu chegamos na sexta. Aproveitamos para conhecer o Centro da cidade e descansar um pouco. Afinal, como disse, estava vindo de duas semanas na correria. 

Marcelo chegou no sábado e já combinamos de encontrá-lo na Arena Condá. Então, esse foi o primeiro local “oficial” de nossa visita pela cidade.

A Arena Condá 

A história do local pode ser contada em três fases. Primeiro, foi construído um campo de futebol. Depois, foi construído o Estádio Regional Índio Condá. Esse nome é em homenagem a um importante líder Caingangue.  Por último, surgiu a Arena Condá.
Índio Condá na Arena Condá
Índio Condá, próximo à Arena Condá
O local é utilizado pela Associação Chapecoense de Futebol e tem uma grande fama por suas características acústicas, tornando-se um verdadeiro caldeirão. 
Arena Condá
Visitando a Arena Condá
Como Marcelo havia alugado um carro, pudemos ir a passeios mais afastados da cidade. Sendo assim, saindo da Arena Condá, já pegamos a estrada em direção ao Balneário de Águas Termais.

Balneário de Águas Termais

Localizado a 12 km do Centro de Chapecó, oferece água natural termal e sulfurosa com temperatura de 43° C. 

Chegamos e fomos super bem recebidos por uma senhora. Ela nos explicou que aquele era o último dia da temporada deles, pois o frio já estava começando. Mesmo assim, ela nos permitiu entrar para conhecer as instalações do local. 
Balneário de Águas Termais em Chapecó
Entrada do Balneário de Águas Termais
O Balneário de Águas Termais dispõe de 
  • um pequeno hotel;
  • cinco piscinas com águas termais;
  • playground infantil aquático; 
  • conjunto de tobogãs;
  • área de camping; 
  • parque com churrasqueiras;
  • lanchonete;
  • restaurante;
  • lago para a pesca artesanal;
  • recanto ecológico com pista para caminhada;
  • área arborizada para relaxar;
  • estacionamento. 

É uma boa pedida para passar um dia!
Balneário de Águas Termais em Chapecó
Toboáguas

Balneário de Águas Termais em Chapecó
Algumas atrações do Balneário de Águas Termais
Saindo do Balneário, seguimos em direção ao Vale do Rio Uruguai. As belezas naturais estão entre os principais atrativos da região.


Vale do Rio Uruguai

Fomos direto ao distrito de Goio-En, localizado a 23 km do Centro de Chapecó. Marcelo nos disse que lá havia uma tirolesa. Bom, eu nunca tinha ido em uma, mas sei que tenho os meus dramas com altura, né? 

Atravessamos a ponte do Rio Uruguai e fomos até o Rio Grande do Sul “dar uma volta”, literalmente. Depois de um retorno, lá estávamos nós de novo em Santa Catarina. 
Limite Rio Grande do Sul e Santa Catarina
Pegamos o caminho para a Tirolesa Interestadual. Nome excelente afinal, a gente parte do RS e chega a SC, né?
Tirolesa Interestadual em Chapecó
Aproveita que o vídeo do #VEDA de hoje é sobre a Tirolesa Interestadual e dá uma conferida no drama... E também tem um post específico sobre a Tirolesa Interestadual...


Partindo da tirolesa, entramos em um caminho que levava ao Mirante da Ferradura e à Trilha do Pitoco

A estrada é de terra e tem uns pedaços bem estreitos e íngremes. Então, fique atento ao tipo de carro que vai ser colocado nessa rota. Ainda cruzamos um ônibus escolar. Sorte que a parte em que estávamos não era estreita. Ufa!
Rota do Vale do Rio Uruguai
Entrada para a Trilha do Pitoco e para o Mirante da Ferradura
Nossa primeira parada foi no Mirante da Ferradura. Lá foi possível ver o Rio Uruguai contornando um morro. E como ele fica com o formato de uma ferradura, eis o motivo do nome.
Vista do Mirante da Ferradura
Vista do Mirante da Ferradura
Descemos mais um pouco e chegamos à Trilha do Pitoco. Fomos super bem recebidos pelo casal dono da casa: o senhor Gomercindo e a dona Nelci.
Trilha do Pitoco em Chapecó
O nome da trilha é uma homenagem ao cachorrinho Pitoco. Ele foi um cão-guia da trilha. Infelizmente, Pitoco morreu (há um memorial para ele no caminho) e, hoje, quem faz essa função é o “Pitoco Neto”.
Trilha do Pitoco em Chapecó
Pitoco Neto...
E já vem uma nova geração por aí. Quando chegamos, fomos recebidos pelo “Pitoco Bisneto”. Lindo!
Trilha do Pitoco em Chapecó
O Memorial do Pitoco
A Trilha do Pitoco possui cinco cachoeiras, cuja altura varia entre 8 e 45 metros. Não fizemos a trilha por completo, pois estava ameaçando chover. 

No entanto, o Sr. Gomercindo falou para irmos até a primeira cachoeira da trilha. Lá há uma piscina natural e, claro, que o Pitoco foi nos acompanhando nesse trajeto. 
Trilha do Pitoco

Trilha do Pitoco
Olha o Pitoco parando para beber uma água enquanto nos acompanhava...
Caso você resolva fazer a trilha por completo, é importante saber que são 5 km de caminhada (ida e volta). A atração é paga, mas vale muito a pena. Também vale a pena conversar um pouco com o casal. Foi muito interessante!
Trilha do Pitoco
Atração Trilha do Pitoco vista da estrada
Depois de exploramos o Vale do Rio Uruguai, seguimos novamente para o Centro. Tínhamos que pegar o kit da Meia Maratona de Chapecó

Obrigação feita, retornamos à vida de turista. O local seguinte a ser visitado foi o Monumento O Desbravador/Memorial Paulo de Siqueira.

Monumento O Desbravador/ Memorial Paulo de Siqueira

Esse monumento foi uma homenagem aos que desbravaram e construíram Chapecó. Foi inaugurado em 25 de agosto de 1981 (poxa, um dia antes do meu nascimento... Tudo bem, era o aniversário da cidade, he he he). 

A estátua possui 14 metros de altura e é o cartão de visitas da cidade.  É composta pela figura de um gaúcho empunhando um machado. A mão esquerda carrega um louro que simboliza as conquistas dos pioneiros.
Monumento O Desbravador em Chapecó
O Desbravador
Foi criada pelo artista plástico Paulo de Siqueira. Embaixo dela, está o Memorial Paulo de Siqueira, com pinturas e outras obras produzidas pelo multifacetado artista, que faleceu em 1996, aos 47 anos.
Memorial Paulo de Siqueira
O Memorial fica na parte de baixo do monumento

Memorial Paulo de Siqueira
Uma das pinturas de Paulo de Siqueira

Memorial Paulo de Siqueira
Uma das esculturas de Paulo de Siqueira
Saindo do Memorial, atravessamos a rua e chegamos ao Museu de História e Arte de Chapecó


Museu de História e Arte de Chapecó/Prédio histórico da Prefeitura

Esse prédio foi erguido na década de 1940 para ser o prédio da Prefeitura de Chapecó. Atualmente, é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). 

O local abriga o Museu de História e Arte de Chapecó (MHAC) e o Museu Municipal Antônio Selistre de Campos

Esses museus reúnem acervo arqueológico das tribos Caingangue e Guarani, além de registros fotográficos de Chapecó. 

Uma de suas características principais são as fundações de pedras e a construção em tijolo maciço sem pilares nem vigas. Há pinturas nas paredes feitas em escaiolas, técnica que imita o mármore executada à base de desempeno e bico de pena. Olha o trabalho!!!!
Museu de História e Arte de Chapecó
Uma das sala do Museu
Gostaria de agradecer aos responsáveis que estavam lá no dia da visita. Uma senhora MUITO simpática e um menino super disposto a compartilhar as histórias do local.

Voltamos à rua e, novamente, foi só atravessar duas pistas para irmos à Catedral de Santo Antônio.
Catedral de Santo Antônio
Catedral de Santo Antônio vista do Museu


Catedral de Santo Antônio

A Catedral de Santo Antônio é conhecida como Igreja Matriz de Chapecó. Foi inaugurada em 1956 e possui duas torres com 40 metros de altura. 

Ao entrar, o visitante percebe que é uma igreja muito clean. Notei a ausência de imagens de santos e achei muito peculiar.
Catedral de Santo Antônio
Uma parte da Catedral de Santo Antônio
Olhando com mais calma, percebi que tais imagens estavam nos vitrais tanto do lado direito quanto do lado esquerdo da igreja. Gostei muito desse tipo de organização.
Vitrais da Catedral de Santo Antônio
Vitrais com as imagens dos santos
Vitrais da Catedral de Santo Antônio
Um dos vitrais da Catedral
Li que a catedral, vista de cima, possui um formato de cruz. Como ainda não tenho um drone, não pude ver com “meus próprios olhos”, mas acredito que possa ser assim mesmo. 

Atrás dela, há uma gruta em pedra com imagens de Nossa Senhora Aparecida, Nossa Senhora das Dores e Nossa Senhora das Graças.

Novamente, foi só atravessar a rua para chegarmos a mais um ponto turístico: a Galeria de Artes Dalme Marie Grando Rauen.

Galeria de Artes Dalme Marie Grando Rauen

Localizada na Praça Coronel Bertaso, o  espaço permite que artistas locais e visitantes exponham suas obras. A galeria foi criada em 2002 e visa difundir e fomentar as artes visuais.
Galeria de Artes Dalme Marie Grando Rauen
Entrada da Galeria de Artes Dalme Marie Grando Rauen
Já eram quase 17 horas e a gente ainda não tinha almoçado. Então, seguimos para o shopping para poder comer. Passamos em frente ao Mercado Municipal e à Casa do Artesão, mas ambos estavam fechados já. 

Ainda faltavam dois pontos que queríamos conhecer: o Ecoparque e a Gruta Nossa Senhora de Lourdes. Esses dois locais ficaram para depois da Meia Maratona de Chapecó

Achei SUPER arriscado e “audacioso” fazer visita depois da corrida e antes do nosso voo (afinal, embarcaríamos às 13h30), mas vamos que vamos... 

Passamos primeiro no Ecoparque...
Ecoparque em Chapecó
Entrada do Ecoparque

Ecoparque

Área verde com árvores nativas e eucaliptos, lagos com ponte, três trilhas para caminhada e corrida e playground. 
Ecoparque em Chapecó
Há várias instruções nas paredes

Ecoparque em Chapecó
O medidor de intensidade solar. Adorei isso...
Ecoparque em Chapecó
Adoro letreiros...
Como estávamos na freneticidade, não fizemos todas as trilhas. No entanto, deu para perceber que são bem sinalizadas.
Ecoparque em Chapecó
Sinalizações das trilhas

Ecoparque em Chapecó
Sinalizações das trilhas
Seguimos em direção à Gruta Nossa Senhora de Lourdes, em Sede Figueira. No entanto, tivemos que voltar do meio do caminho, pois não daria tempo de chegar ao aeroporto. 

Fui pesquisar sobre esse local quando já estava em casa. Pude perceber que foi realmente uma pena não irmos. Ele apresenta uma gruta e uma cachoeira. Além disso, há uma pequena trilha chamada de Trilha dos Mistérios do Rosário, cujo percurso é adornado com esculturas em arenito do artista plástico Ciro Sosnoski. 

Um bom motivo para retornar a Chapecó...

Nem preciso dizer que chegamos cravados ao aeroporto, né? Ainda bem que o voo atrasou... Não gosto dessas coisas tensas, aff!

Bom, com isso termino essa aventura por Chapecó. Espero que tenha gostado...

Até amanhã

Um super beijo

Carolina

Para saber como foi a Meia Maratona de Chapecó, confira o post 
Receba conteúdo exclusivo

Assine nossa newsletter



Reserve nos parceiros do blog Viajar correndo:

Produtos com desconto


Sobre o Autor:
Carolina Belo Sou Carolina Belo, Bióloga e Turismóloga. Busco sempre ser feliz e ver o lado positivo de tudo o que acontece na vida. Gosto de viajar e participar de corridas pelo mundo.

20 comentários:

  1. Caramba, quanta coisa para fazer em Chapecó! Não fazia ideia. Adorei a ideia da tirolesa interestadual e achei linda a vista do Mirante da Ferradura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, eu também não tinha a mínima ideia disso Gê. Foi realmente uma surpresa muito boa!!! E ainda ficou faltando conhecer atração... Surpreendente mesmo...
      Super beijo
      Carolina

      Excluir
  2. Nossa, eu não sabia que tinha tanta coisa pra fazer em Chapecó.. E essa tirolesa interestadual, gostei!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Adriana, foi uma surpresa também. A viagem rendeu... A tirolesa foi muito radical para mim, ha ha ha ha...
      Um super beijo e desculpas pela demora na resposta...
      Carolina

      Excluir
  3. Muita coisa legal para se fazer em chapecó, lindo mesmo. Bom post. Edson

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Edson! Tem mesmo...
      Muito obrigada pelo comentário e mil desculpas pela demora na resposta...
      Abraços
      Carolina

      Excluir
  4. oi Carol... no final das contas, todo lugar tem alguma coisa interessante para nos contar não é mesmo?! Basta ter olhos, ouvidos e interesse. Não fazia ideia de que Chapecó tinha sido planejada ou a origem de seu nome! Adorei a vista do Mirante da Ferradura e conhecer a história da família Pitoco! O centro é uma graça! bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa Analuiza, eu SUPER concordo com você! Na verdade, basta estarmos abertos para ter as experiências, né?
      Adorei conhecer Chapecó e quero voltar para visitar a atração que ficou faltando, he he he...
      Um super beijo e, mais uma vez, desculpas pela demora na resposta...
      Carolina

      Excluir
  5. Excelente dicas de passeio tem no seu post, muito bem detalhado e escrito parabéns

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Christian! Aproveito para pedir desculpas pela demora na resposta. Andei trabalhando alucinadamente e não consegui responder em seguida.
      Abraços,
      Carolina

      Excluir
  6. Quanta coisa legal pra se fazer em Chapecó! Eu não tinha ideia da maioria!
    A natureza sempre me atrai mais então a cachoeira e o parque ecológico com certeza estariam no mu roteiro tb!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bruno e Paola! Pois é, tem muita coisa (eu também nem imaginava). As cachoeiras devem ser muito maneiras mesmo. Mas como ia chover, ninguém quis arriscar a subir a trilha, he he he...
      Muito obrigada pelo comentário e desculpas pela demora na resposta...
      Abraços!
      Carolina

      Excluir
  7. Amo Chapecó... minha irmã mora lá (mas se mudou depois de que vim morar na Europa), então não estive muitas vezes na cidade. Mas foi o suficiente para adorar. E vi que muitas coisas não conheci.. Já enviei o post para a minha irmã cobrando. =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh Martinha, então, quando você vier ao Brasil visitá-la, já sabe o que fazer né? He he he... Ela vai ter um pouco "de trabalho" nessa sua visita, he he he...
      Muito obrigada pelo comentário e mil desculpas pela demora na resposta...
      Um super beijo
      Carolina

      Excluir
  8. Oi, Carol!
    Que legal, não sabia que Chapecó tinha tanta coisa assim para fazer! Pergunta: vocês fizeram isso em quanto tempo? Um dia?? Não deu pra sacar pelo relato. Fiquei curiosa hehe
    Adorei a tirolesa interestadual e o Pitoco Neto, que gracinha! :)
    Um beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Laura!!!! Nem eu imaginava ter tantas atividades para fazer nesta viagem... Na verdade, foram em dois dias (a maioria no sábado) e o EcoParque no domingo (pois passamos a maior parte da manhã correndo a Meia Maratona).
      Menina, o Pitoco Neto é um amor!!!! Nem conhece, já vem fazendo festa... E ciumento total: uns gatinhos vieram interagir com a gente. Ele simplesmente, atacou os gatos...
      Um super beijo e, mais uma vez, desculpe pela demora na resposta!!!
      Carolina

      Excluir
  9. Olha Carol, me surpreendi com tantas coisas legais que se tem a fazer em Chapecó, e olha que já passei duas vezes por esta cidade em outras viagens pelo Sudoeste do Brasil. Parabéns, adorei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Francisco, eu também. Na verdade, quem organizou o roteiro foi o meu amigo Marcelo. Quando ele me mandou, pensei: "nossa, achei que fosse ser bem mais tranquilo", ha ha ha... "Andamos" o dia inteiro e ainda ficaram faltando atrações...
      Muito obrigada pelo comentário e mil desculpas pela demora na resposta! Andei meio sumida, mas estou voltando à vida normal!
      Abraços,
      Carolina

      Excluir
  10. Que legal! Nem imaginava que tivesse tanta coisa legal assim pra fazer em Chapecó! Adorei a tirolesa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa tirolesa é muito radical para mim, Roberta. Mas valeu a pena, mesmo urrando desesperadamente, he he he...
      Muito obrigada pela visita e mil desculpas pela demora na resposta...
      Um super beijo
      Carolina

      Excluir

Obrigada pela visita. Fique à vontade para dizer o que achou do post... Seus comentários são super bem-vindos... Um super beijo...

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Start typing and press Enter to search