domingo, 16 de agosto de 2015

7ª Vila do Farol Indomit Bombinhas - 2015

Bombinhas

O que dizer da Vila do Farol Indomit Bombinhas? Que é uma prova linda? Todos já sabem... Que é uma prova bem organizada? Todos já sabem também... Eu prefiro falar dessa prova por um outro ângulo: o da amizade, do amor e da superação.
Para começar, quero falar de amizade. E isso já aconteceu antes mesmo de irmos para Bombinhas. As 777 curtidas que nos possibilitaram viver essa aventura já demonstraram a força que os amigos têm na nossa vida. Teve inclusive mobilização de pessoas que eu nem conhecia e que hoje são queridas (aqui incluo Patricia, David e Rafaela).

Vila do Farol Indomit Bombinhas
Com Rafaela e David, antes de largar!
Teve mobilização até de alunos! Olha que incrível! Um até roteou a internet do próprio celular para que outros pudessem curtir. Obrigada, obrigada, obrigada! O banner que fiz não reflete nem um terço do quanto somos gratos por tudo.

Vila do Farol Indomit Bombinhas

Saibam que vocês estiveram presentes em todo momentos, foram arrastados no costão, ficaram molhados porque a maré subiu e nós tomamos um banho, enfim, participaram de todo o processo. Além disso, foram essenciais para dar força porque a toda hora eu pensava: temos que chegar dentro do tempo porque muitas pessoas estão envolvidas nisso.  Mais uma vez, obrigada!


Vila do Farol Indomit Bombinhas





Ainda em relação à amizade, as pessoas que conhecemos nas provas também são super importantes (e até no transfer também, né Martha?). É um braço para segurar quando você desliza, é uma mochila de hidratação para suprir sua água quando a do posto acaba, é uma conversa quando você está sucumbindo (valeu Adriana!), enfim, são ajudas bem-vindas que só são possíveis por causa da disponibilidade de a pessoa ser solidária. 

Entre os quilômetros 25 e 26, havia uma subida bem cansativa que ainda contava com o Sol forte e com a poeira deixada pelos carros que passavam. Eis que no caminho passo por um “cara” que ouvia música sem fone. Eu ainda pensei: excelente ter uma música motivante nesse momento. Paramos para encher as garrafas e o tal “cara” pergunta para o staff se eles tinham rádio para avisar que ele ia desistir. Desistir? Como assim? Quem me conhece sabe que eu posso chegar destruída, mas desistir só se eu estiver morrendo mesmo. Começamos um processo de convencimento de que ele não poderia desistir, de que faltava pouco (tá bom, faltavam 16 Km, mas tudo bem, ha ha ha), o corredor Alexandre se dispôs a correr com ele e perguntamos o que ele estava sentindo. Como a resposta foi dores e cãibras, catei meu super Salonpas spray (olha a propaganda gratuita e é com "n" mesmo), esguichei na perna dele e lá fomos nós. Esse “cara” é o Zenildo. Ele não só chegou, como finalizou dentro do tempo de prova. Parabéns Zenildo pela força e pelo empenho em terminar. E, claro, parabéns Alexandre pela disponibilidade em abrir mão de seu tempo de prova e ajudar um companheiro de corrida.

Vila do Farol Indomit Bombinhas
Alexandre, Zenildo e nós!
Apesar de a prova ser de 42 Km, o nosso foco era passar pelo Km 37 dentro do tempo para não ser cortado: 7h30m de prova, o que dava até às 15h30m. Tanto que eu quase não tirei fotos no caminho (o que é um milagre!!). Fizemos a primeira metade da prova em um tempo até legal, se comparado com ano passado.


Esse trecho foi o que eu já tinha feito no ano passado, mas com um diferencial: muita lama e altos arrastos no chão. Este ano estava tudo em paz, apesar de algumas valas de erosão. Foi nesse local que conheci o Egomar, o staff encarregado de resgatar os últimos colocados e eu estava nesse grupo, ha ha ha. Em 2015, a meta, além de passar dentro do tempo no Km 37, era NÃO ENCONTRAR O EGOMAR NA CORRIDA!!! Graças a Deus, só o encontramos na largada e na festa Indomit.

Vila do Farol Indomit Bombinhas

Depois do Km 21, foi um perrengue atrás do outro: subida, costão, descida com pedras, raízes... Com as pernas já cansadas fica difícil dar conta disso e eu acho que fica até bem perigoso e mais fácil de arranjar problemas. Conseguimos passar pelo Km 37 dentro do tempo (com 6h30). O engraçado foi que eu não vi nada indicando que era o Km 37, mas o meu relógio ainda não tinha acabado a bateria, então, eu tive mais ou menos uma noção. O mais interessante (e alguns vão achar que eu sou maluca) foi que assim que deu o Km 37, eu olhei para a areia e vi uma moeda de R$ 0,05. Peguei a moeda e comecei a chorar, não porque eu estivesse precisando de cinco centavos (eu sempre preciso, he he he), mas porque já havia lido que quando você acha moedas na rua é um sinal dos anjos. E, mais do que nunca, eu estava super conectada com o mundo espiritual nessa prova.

Vila do Farol Indomit Bombinhas

No Km 38, o músculo da minha coxa deu um estalo e foi como se uma fibra tivesse “trepado” na outra. Pensei: perdi a perna! Que dor!!!!! Estava difícil para caminhar. Mais Salonpas e um momento de massagem para resolver. Corremos, andamos, atravessamos o costão (medooooooooooo), praias, mais praias, ruas, mais praias e, enfim, chegamos no laço: 7h52m. O vídeo está super mal filmado, mas nas condições físicas do momento, eu só queria registrar a chegada sem me preocupar com posição e estabilidade!!!!!!


Foi uma excelente experiência e agradeço, novamente, a todos que permitiram que isso acontecesse. No entanto, não poderia terminar esse relato sem falar de uma pessoa que esteve ao meu lado durante TODO o tempo da prova. Largamos juntos e assim fomos por todo o caminho. Às vezes, ele um pouquinho na frente, às vezes eu na frente porque caminho muito rápido, mas sempre por perto. Isso nunca tinha acontecido. Eu estava cansada devido ao pequeno intervalo entre a maratona de julho e esta, mas Otávio estava lá me puxando psicologicamente e dando força. Amor, obrigada pelo apoio, pela preocupação e, principalmente, pela paciência durante os meus momentos de drama, de medo e de “dedos de nojo” (olha o T-Rex Marianne e Carol Borges).


Vila do Farol Indomit Bombinhas

À noite, fomos para a festa. E não é que nossa foto apareceu no telão? Maior surpresa, ha ha ha...


Vila do Farol Indomit BombinhasVila do Farol Indomit Bombinhas





Então é isso, espero que tenham gostado da nossa participação na Indomit Bombinhas (quando digo nossa, não me refiro somente a minha e de Otávio, mas de vocês também).

Até quarta-feira!

Super beijo

Carolina

Assine nossa newsletter



Sobre o Autor:
Carolina Belo Sou Carolina Belo, Bióloga e Turismóloga. Busco sempre ser feliz e ver o lado positivo de tudo o que acontece na vida. Gosto de viajar e participar de corridas pelo mundo.

4 comentários:

  1. Carol o choro no final não podia faltar né...Parabéns por mais um desafio concluído, muito legal também a homenagem no final com o banner, não pode jogar o banner fora não hein, tem que guardar...rsss...Quem sabe um dia corro essa prova....Parabéns a vc e ao Otávio.

    Abs

    Jorge Cerqueira
    www.jmaratona.com

    ResponderExcluir
  2. Com certeza Jorge: sem choro e drama não pode ser uma corrida feita por Carolina, ha ha ha ha. O banner ficará guardado com muito carinho e cuidado para que eu possa sempre me lembrar dessa experiência! Muito obrigada! Beijos.

    ResponderExcluir
  3. show show show parabéns linda e mil milhões de desculpas por não ver teu blog antes...novamente agradecer e dizer que nossa amizade está definitivamente amarrada... voce é um anjo e merece sempre estar no pódium... lindo relato da prova mais linda que já vi, corri e trabalhei, e lá nos conheçemos em uma situação muito extrema de lamas escorregões e muita dificuldade nas trilhas... parabéns por completar essa bela maratona e estamos sempre ai prontos para qualquer coisa...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Egomar! Que vergonha você não ter visto antes!!!! Brincadeira! Foi uma experiência show!!!!!!!!!!!! Até a próxima!!!!
      Abraços
      Carolina

      Excluir

Obrigada pela visita. Fique à vontade para dizer o que achou do post... Seus comentários são super bem-vindos... Um super beijo...