domingo, 6 de novembro de 2016

Visitando Montréal

Algumas atrações e sua cidade subterrânea

Olááá! Tudo bem? Hoje vou falar sobre uma cidade que visitamos no Canadá, mas que quase não fiz menção a ela. Nem parece que eu visitei, he he he... Então, vamos acertar essa dívida e partir agora a Montréal.

Montréal estava no meio do caminho entre Toronto e Québec. Confesso que não era um local que eu queria MUITOOOO visitar. No entanto, como tínhamos alguns dias, resolvemos gastá-los por lá. 

Dados gerais sobre Montréal

Ela é a maior cidade da província de Québec, a segunda mais populosa do Canadá e a segunda mais populosa que fala Francês (francófonas) no mundo (só perde para Paris). Isso se reflete, inclusive, na grafia do nome da cidade, como mostrarei daqui a pouco. Entretanto, Montréal também possui uma considerável comunidade anglófona e um crescente número de pessoas cujo idioma materno não é nem o Francês nem o Inglês.

O nome oficial da cidade é Montréal. Isso mesmo: com acento no “e”. Por isso, segundo o governo do Canadá e de Québec, deve aparecer acentuado em todos os materiais impressos no país, seja em Francês ou em Inglês. Deveria aparecer, mas nem sempre é o que acontece. É costume omitir o acento em materiais anglófonos.

Montréal é o terceiro maior polo turístico do Canadá, atrás de Vancouver e Toronto. Anualmente, a cidade é visitada por milhões de turistas. Montréal é um dos centros culturais mais importantes do país, sediando vários eventos nacionais e internacionais. Entre eles o Festival de Jazz de Montréal, um dos maiores festivais de jazz do mundo. A cidade localiza-se na Ilha de Montréal, no Rio São Lourenço, incorporando um total de 74 ilhas menores localizadas perto da Ilha de Montréal.

O nome da cidade origina-se de Mont Royal. Esse é o monte onde Jacques Cartier colocou uma cruz em homenagem ao Rei que o havia patrocinado, Francisco I de França. Algum tempo depois, o nome do monte passaria a ser associado também com a cidade. Montréal foi fundada em 1642, sendo uma das primeiras cidades do Canadá. Atualmente, é considerada uma das cidades mais seguras do continente americano.

Quem foi Jacques Cartier?

Ele foi um explorador francês que ficou conhecido pelas suas três viagens ao Canadá em busca de ouro. É creditada a ele algumas descobertas, como:
  • a Ilha do Príncipe Eduardo;
  • a Ilha Anticosti;
  • o Rio São Lourenço;
  • a região de Hochelaga (atual Montréal).

Conhecendo a cidade com o ônibus Hop-on Hop-off

Como o tempo era curto, optamos por conhecer Montréal através de um ônibus hop-on hop-off. Com ele, conseguimos descer e visitar o Oratório de São José, o Quartier Latin, o Quartier dos Espetáculos, o bairro chinês, a velha Montréal (e o porto), a Torre do Relógio e o Quartier dos Museus.

Catedral Marie-Reine-du-Monde 

Antes de embarcarmos, visitamos a Catedral Marie-Reine-du-Monde. Ela fica próxima ao local de onde parte o ônibus. É sede da arquidiocese de Montreal e a terceira maior igreja da província de Québec (após o Oratório de São José e a Basílica de Santa Ana de Beaupré). Em maio de 2006, a catedral foi nomeada Patrimônio Histórico Nacional do Canadá.
Catedral Marie-Reine-du-Monde Montréal
Catedral vista do lado externo.

Catedral Marie-Reine-du-Monde  Montréal
Interior da Catedral
O ticket para o ônibus hop-on hop-off vale por dois dias consecutivos. Ele é vendido em um posto de informações turísticas na Praça Dorchester. O ponto inicial é na mesma praça e o primeiro ônibus sai às 10 horas. Saímos no segundo ônibus. 


Montréal
Local de venda do ticket para o ônibus ao fundo

Hop on hop off Montréal
Bem antigo esse ônibus, né?
A ideia era fazer uma volta completa e depois escolher os locais para descermos. No entanto, o trânsito não estava colaborando e quando chegamos a um ponto mais afastado, resolvemos descer para explorar logo. Era o Oratório de São José.

Oratório de São José

Oratório de São José é uma basílica Católica Romana situada na ladeira norte do Mont Royal. É a maior igreja canadense, possuindo a maior cúpula do seu gênero. De lá, pode-se ter uma visão muito bonita da cidade.

Oratório de São José
Oratório de São José

Oratório de São José
Eu e os órgãos...

Oratório de São José
Jardim e vista de Montréal.
Pegamos novamente o ônibus hop-on hop-off e seguimos até o Quartier Latin.

Quartier Latin

O Quartier Latin é uma área conhecida por seus teatros, atmosfera artística, cafés e boutiques. A gente já estava com muita fome e não achou nenhum restaurante que nos chamasse atenção. Fomos caminhando e chegamos ao Bairro Chinês.

Bairro Chinês

O Bairro Chinês é conhecido como Chinatown. Nos anos de 1860, os imigrantes chineses começaram sua história no Canadá. Vindos em grande parte da Colúmbia Britânica e do sul da China, esses novos imigrantes estabeleceram-se nesse setor da cidade. Com isso, foram abertas lojas, restaurantes e armazéns. Durante o período da Guerra Fria, um novo fluxo de imigração asiática trouxe influências vietnamitas ao bairro.

Não paramos aqui e continuamos nossa busca por alimento. Chegamos à Velha Montréal.

A Velha Montréal (e o porto)

Conhecida como Vieux Montréal, é um centro histórico com diversos restaurantes e atrações como o Porto antigo da cidade e a Basílica Notre-Dame de Montréal.

Finalmente, conseguimos almoçar. Depois de repor as energias, fomos conhecer a Basílica de Notre-Dame e o porto. 
Basílica Notre-Dame de Montréal
Basílica Notre-Dame de Montréal
Situado às margens do Rio São Lourenço, o porto estende-se por mais de dois quilômetros ao sul da Velha Montréal. Fomos até o Centro de Ciências de Montréal, mas, INACREDITAVELMENTE, estavam em greve! Cara, achei muito interessante isso!

Depois dessa tentativa frustrada de conhecer o Centro de Ciências, fomos em direção à Torre do Relógio. Ela foi construída em homenagem aos marinheiros canadenses que morreram na Primeira Guerra Mundial. Eu já estava com um pouco de moleza e nem aproveitei muito (nem quis subir para ver Montréal de cima, ou seja, não estava bem mesmo)...

Torre do Relógio Montréal
Torre do Relógio

Torre do Relógio Montréal Torre do Relógio Montréal
Rio São Lourenço

Finalizamos nosso dia neste local. Voltamos ao hotel à pé mesmo, o que deu uns 3 Km. Para quem já estava com moleza foi uma beleza, he he he he...  Precisava descansar e, no dia seguinte, pegamos o ônibus mais tarde. Demos uma nova volta e descemos no Quartier dos Museus.

Quartier dos Museus

Tiramos algumas fotos em frente ao Museu de Belas Artes e fomos caminhando pelas ruas do entorno. Já era hora de almoçar.

Museu de Belas Artes Montréal

Museu de Belas Artes Montréal
Museu de Belas Artes de Montréal
Pegamos novamente o ônibus e fomos até o Quartier des Spetacles. Andamos até a Place des Arts e ficamos vendo a dança das águas na praça. 

Place des Arts
Momento relaxante

Place des Arts
Só observando a água, he he he he... O ócio criativo...
Quando resolvemos comer, fomos ao Complexe Desjardins. Compramos os alimentos, sentamos na Praça de Alimentação e ficamos observando. Havia uma decoração bonita com uns guarda-chuvas. Vimos que em vinte minutos haveria um show. Era o espetáculo das águas com a música Luzia, do Cirque du Soleil. Então, ficamos esperando. Foi super legal. 
Complexe Desjardins Montréal
Complexe Desjardins
Esse Complexe Desjardins faz parte da cidade subterrânea de Montréal. Eu ouvia falar disso, mas não estava entendendo a dinâmica. Não estava entendendo atéééé entrar em um shopping e perceber que estava nela. 

A cidade subterrânea de Montreal chama-se RÉSO (rede em Francês). São mais de 32 km de túneis que se conectam e abrigam shopping centers, prédios de apartamentos, hotéis, condomínios, bancos, escritórios, museus, universidades, estações de metrô e de trem, terminal regional de ônibus e o Centre Bell (complexo de anfiteatro e arena). No inverno, esse local é perfeito para proteger as pessoas do frio absurdo do Canadá (que pode chegar a -35° C, oi?????).

Nossa, para quem não queria conhecer Montréal, até que falei bastante, né? Depois de dois dias na cidade, partimos a Québec.

Espero que tenha gostado de Montréal.

Até quarta-feira

Super beijo

Carolina


Assine nossa newsletter





Sobre o Autor:
Carolina Belo Sou Carolina Belo, Bióloga e Turismóloga. Busco sempre ser feliz e ver o lado positivo de tudo o que acontece na vida. Gosto de viajar e participar de corridas pelo mundo.

2 comentários:

  1. Delícia "viajar" com você ao ler os seus posts!!! Gente, o Canadá é DEMAIS, né?! Não precisava ser tão longe... rsss.. só pra poder ir pra lá mais fácil! Eu ia adorar o Quartier Latin!!!! Já pensou: teatros, atmosfera artística, cafés e boutiques tudo no mesmo lugar?! Fantástico!!!
    Seus posts são verdadeiras aulas de geografia e história! ADORO!!!!
    Beijo grande!!!

    http://blogdaana.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada querida amiga! Cara, concordo. Ele poderia estar localizado na Argentina. Aí era só dar um "pulinho" logo ali, né? He he he he...
      Um super beijo...
      Carolina

      Excluir

Obrigada pela visita. Fique à vontade para dizer o que achou do post... Seus comentários são super bem-vindos... Um super beijo...