16 março 2016

Visitando a Represa de Assuã e o Templo de Philae no Egito

Olááá! Tudo bem? Em mais um post sobre o Egito, vamos visitar a Represa de Assuan e também o Templo de Philae. Não vamos perder mais tempo. Vamos lá?


Não sei se você está lembrados mas quando se estuda o Egito na escola sempre é mencionada a questão do limo fertilizante que o Nilo deixava nas suas margens durante os períodos de cheia e que propiciava maravilhas na agricultura. 

Lembra-se disso? Pois bem, atualmente, isso não acontece mais por conta de uma obra realizada em meados de 1950: a Represa de Assuan. Nossa visita de hoje acontecerá na represa e no Templo de Philae

Vila de Núbios em Assuan

Antes de irmos até a Represa, visitamos uma vila dos Núbios. Como já disse no post anterior, o núbios viviam na região entre o Egito e a África Subsaariana. Esse povo tinha cultura e línguas próprias. 

A região onde viviam era repleta de riquezas, como o ouro e o marfim, o que causou a cobiça de outros povos. Tanto que em 3.100 a.C, a Núbia foi conquistada pelo Egito. Com isso, os faraós e as dinastias passaram a explorar os núbios como escravos.
Vila dos Núbios no Egito
Casa típica núbia
Não achei um passeio muito interessante não, mas como estava incluído no pacote...

Saindo da vila, seguimos à Represa de Assuan


Represa de Assuan

Voltando à história da cheia do Nilo, ela já estava ameaçada na primeira construção de uma barragem nesse local, entre 1899 e 1902 e que é chamada de Assuan Baixa (Assuan Antiga). Ela foi executada pelos americanos e britânicos. 

Em 1952, com as mudanças políticas no país, começou a ser idealizado o projeto de Assuan Nova (ou Assuan Alta) e a nova represa seria construída também com recursos americanos e ingleses. 
Represa de Assuã no Egito
Represa de Assuã vista ao longe, da vila dos Núbios.
No entanto, em 1956, o Egito rompeu o acordo e, sem recursos para concluir as obras, nacionalizou o Canal de Suez com o objetivo de explorá-lo e obter os fundos necessários. Isso não agradou Reino Unido, França e Israel, que atacaram o Egito e ocuparam o canal. 
Represa de Assuã no Egito
Represa de Assuã
Depois de um longo embate, a ONU resolveu o problema e, em 1958, a União Soviética ajudou o governo do Egito a construir a represa, participando com um terço dos recursos financeiros necessários, equipamentos e o conhecimento de técnicos especializados. 

A construção começou em 11 de janeiro de 1960 e foi definitivamente concluída em 21 de julho de 1970. Por essa parceria, há um Monumento Árabe-Soviético chamado “Amizade” (uma flor de Lótus) na represa. 

Durante a construção, arqueólogos começaram a levantar suas preocupações quanto a vários sítios históricos que estariam para ser inundados quando a represa ficasse operacional. 
Represa de Assuã no Egito
Lago Nasser
Afinal, ela originou o Lago Nasser (nome dado em homenagem ao Presidente que a elaborou: Gamal Abdel Nasser). 
Represa de Assuã no Egito
Lago Nasser
Com isso, a UNESCO iniciou uma operação de resgate de peças em 1960 e conseguiu preservar o meu templo amado: Abu Simbel. Isso só foi possível com o remanejamento de 22 monumentos e complexos arquitetônicos para as margens do Lago Nasser. 

Outros monumentos foram destinados a países que ajudaram com os trabalhos, como o Templo de Debod em Madri, o Templo de Taffeh em Leiden e o Templo de Dendur, em Nova Iorque. 

No entanto, é claro que muitaaaaa coisa se perdeu com isso e problemas ambientais também ocorreram, né? (inclusive o fim do romantismo do Rio Nilo e suas cheias, começo do meu texto de hoje...).
Templo de Abu Simbel
Templo de Abu Simbel

Templo de Philae

Saindo da represa, fomos a um cais e de lá pegamos um mini barco para a Ilha de Philae, onde está localizado o Templo de Philae
Templo de Philae no Egito
Templo de Philae
Esse templo é dedicado à deusa Ísis, deusa da feminilidade e da fertilidade e começou a ser construído durante a dinastia dos Ptolomeus, que governaram o Egito de 305 a 30 a.C.. Como esse grupo é relacionado aos gregos, o templo é repleto de elementos dessa cultura e também da egípcia.
Templo de Philae no Egito
Templo de Philae
Vou confessar que quando eu fui, eu nem sabia da existência desse templo. Pode ser porque ele não é muito famoso e também porque se localiza bem afastado dos outros templos da rota turística. 
Templo de Philae no Egito
Templo visto a partir do Rio Nilo
O Templo de Philae é um local muito interessante e muito bonito, com diversas colunas e várias imagens esculpidas nas paredes. 
Templo de Philae no Egito
No entanto, há algo triste nessa história: MUITAS dessas imagens estavam com os rostos e os corpos dos deuses e deusas depredados como se um machadinho os tivesse destruído. 
Templo de Philae no Egito
A explicação dada pelo guia foi de que os cristãos combatiam o culto a todos os deuses e nada deveria lembrar esse passado. 
Templo de Philae no Egito
Como o templo de Philae transformou-se em uma igreja, eles destruíram os desenhos na parede. Uma pena! Inclusive incrustaram na parede vários desenhos da Cruz de Malta.
Templo de Philae no Egito
O guia disse que dava sorte tocar nessa pedra. Então... VAMOS!!!!!
Para terminar, deixo uma dica aos que amantes da leitura: existe um livro muito interessante do Christian Jacq chamado “Filae, o último templo pagão”. 
Templo de Philae no Egito
Esse livro é um romance que celebra a resistência deste templo frente ao Cristianismo. Para quem não conhece, esse autor é Doutor em Egito Antigo e tem uma série de livros dedicada ao tema (Ramsés, Osíris, Tutankamon, etc). Vale a pena conferir. 

Hoje o post foi mais voltado para a História, né? Mesmo assim, espero que tenha gostado.

Até domingo,

Super beijo

Carolina


Para mais posts sobre o Egito, acesse:

Pesquise e reserve aqui o seu hotel no Egito ou qualquer outra localidade...
Você não paga a mais por isso e ainda ajuda o blog a receber uma comissão do Booking.
Booking.com

Receba conteúdo exclusivo

Assine nossa newsletter



Reserve nos parceiros do blog Viajar correndo:

Produtos com desconto


Sobre o Autor:
Carolina Belo Sou Carolina Belo, Bióloga e Turismóloga. Busco sempre ser feliz e ver o lado positivo de tudo o que acontece na vida. Gosto de viajar e participar de corridas pelo mundo.

2 comentários:

  1. Nossa, eu me realizo demais lendo suas viagens... São sempre tão bacanas, seu texto é tão cheio de sentimento!!!
    Uma delícia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom Ana Paula. Essa é a ideia!!!!! Claro, dar dicas para facilitar a vida de quem vai, mas também passar um sentimento do que foi vivenciado!!!!
      Um super beijo amiga!
      Carolina

      Excluir

Obrigada pela visita. Fique à vontade para dizer o que achou do post... Seus comentários são super bem-vindos...
Responderei o mais breve possível! Então, volte para ver sua resposta. Ou então, bem mais fácil: marque o "notifique-me" para ser avisado por e-mail quando o seu comentário for respondido.
Um super beijo...

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Start typing and press Enter to search