12 abril 2018

Tour Doces Histórias: um passeio pela trajetória dos doces no Rio de Janeiro

Olááá! Tudo bem? Hoje o post é para acumularmos energia para correr depois. Vamos falar sobre o tour Doces Histórias, organizado pela Sou+Carioca. Hummmm... Vamos lá?
Tour Doces Histórias

Tour Doces Histórias

O ponto de encontro foi no Cine Odeon na Cinelândia. Ali mesmo, a guia Raquel Oliveira começou a nos contar sobre a história do açúcar e dos doces. 
Tour Doces Histórias
De lá, a guia nos levou por caminhos saborosos. Dá uma olhada no nosso trajeto.
Tour Doces Histórias
O tour começou na Cinelândia e terminou na Rua do Ouvidor. Foram 4 km de caminhada, mas tenho certeza de que ninguém se importou, he he he...
Curiosidade... O açúcar era usado na Índia, mas não era de fácil acesso. Sendo assim, antigamente, as formas rudimentares de sobremesas eram feitas de frutas (aproveitando a frutose) e de mel.

Após a Cinelândia, a primeira parada foi na Praça XV.
Tour Doces Histórias
Aprendemos um pouco sobre o Convento do Carmo e a Igreja Nossa Senhora do Carmo (a Antiga Sé).
Tour Doces Histórias
Convento do Carmo ao fundo

Tour Doces Histórias
Igreja de Nossa Senhora do Carmo
Esse local era importante, pois ali havia o Porto da Praça XV. Dessa forma, era lá que chegavam as especiarias como cravo, canela, chocolate e baunilha.

E eram nos conventos que havia a arte da doceria. Afinal, muitas mulheres iam para o convento não por vocação, mas por obrigação. Para passar o tempo, elas cozinhavam.


Curiosidade... Portugal exportava claras e açúcar. E o que fazer com a gema? Doces! Por isso, os doces portugueses levam muita gema.

Deixamos a Praça XV e seguimos para o Beco dos Barbeiros. Ali é um lugar que nunca tinha passado. Gostei de conhecer sobre a história do local.
Tour Doces Histórias
Beco dos Barbeiros

Curiosidade
... Os barbeiros de antigamente eram como profissionais de saúde. Faziam barba, cabelo, sangria, pequenas cirurgias e ainda arrancavam dentes. É por isso que há aquele símbolo azul, vermelho e branco nas barbearias. O azul representa o sangue venoso. O vermelho é o sangue arterial. Já o branco representa as faixas brancas utilizadas para estancar o sangue. Eu sempre achei muito maneiro esse símbolo e "descobri" uma vez pesquisando o porquê daquilo... 

E lá fomos nós para a Rua do Ouvidor. Esse local era perfeito para ver e ser visto. Lá havia várias confeitarias como a Castelões e, a preferida da Família Imperial, a Pascoal.

Depois de muita história, chegamos à primeira confeitaria do tour Doces Histórias. A Confeitaria Colombo não é a mais antiga. No entanto, é a mais famosa.
Tour Doces Histórias
Fundada em 1894, possui a fachada preservada, com vidros franceses.
Tour Doces Histórias
Teto da Colombo
O doce tradicional do local é o Mil Folhas, típico da culinária francesa. Também é bastante apreciado o Pastel de Nata (culinária portuguesa).


Curiosidades... O Mil Folhas, na verdade, possui 729 folhas. A Coca-Cola até hoje é vendida na garrafinha de vidro. Isso porque a Confeitaria Colombo foi a primeira a vender Coca-Cola gelada.

Próxima confeitaria do roteiro Doces Histórias: Confeitaria Itajaí.

Com influência alemã, o carro chefe do local é o Apfelstrudel. Também é famosa a torta Floresta Negra.

Na Confeitaria Itajaí, a guia Raquel nos explicou sobre os “pratos com nomes falsos”. Por exemplo, Torta Alemã, Torta Holandesa e Palha Italiana.

O tour Doces Histórias continuou na Casa Cavé. Fundada em 1860, a Cavé tinha influência francesa, mas foi comprada posteriormente por portugueses. São dois os doces principais da Cavé:
  • Pastel de Nata;
  • Sorvete Dina Tereza (homenagem à cantora portuguesa).
Curiosidade... O sorvete foi um motivo de liberação feminina. Como a refrigeração era quase inexistente, havia a hora do sorvete. Isso acabava gerando status. Afinal, como era um bem disputado, só algumas pessoas conseguiam tomar sorvete.

Caminhamos até a Rua do Ouvidor novamente e chegamos a ultima confeitaria do tour Doces Histórias: Confeitaria Manon Ouvidor. Lá a guia Raquel nos contou sobre a história do brigadeiro. Hummmmmm... 
Tour Doces Histórias
Tivemos um tempo livre para visitar a Manon. Eu já estava tãããããão satisfeita que nem quis nada.

Quando todos retornaram, foi realizado um sorteio e... eu ganhei um brigadeiro! Esse não deu para resistir... Acabei comendo.
Tour Doces Histórias
Ganheiiiiii....
Para ver um pouco do tour Doces Histórias, dá uma conferida no vídeo.

Inscreva-se no Canal Viajar correndo para não perder as novidades...

E aí? Gostou do Doces Histórias? Quer mais informações sobre este ou mais roteiros da Sou+Carioca? 

Confira o site e aproveite para seguir as redes sociais:





Aproveito para agradecer a Gaby, do Gaby Pelo Mundo, pelo convite para participar deste tour. Foi realmente maravilhoso! Uma união de história e sabor.

Além disso, ainda encontrei duas queridas do mundo dos blogs: a Karilayn (do Kari Desbrava) e a Vivi (do Vivi na Viagem).
Tour Doces Histórias
Eu (ohhhh), Gaby, Raquel, Kari e Vivi

Aproveite para conhecer os blogs da Kari e da Vivi:



Bom, depois dessa comilança toda, deixa eu dar uma corridinha para queimar isso daí...

Até amanhã.

Um super beijo,

Carolina
Para mais posts do BEDA e do VEDA, confira:

Receba conteúdo exclusivo

Assine nossa newsletter



Reserve nos parceiros do blog Viajar correndo:

Produtos com desconto


Sobre o Autor:
Carolina Belo Sou Carolina Belo, Bióloga e Turismóloga. Busco sempre ser feliz e ver o lado positivo de tudo o que acontece na vida. Gosto de viajar e participar de corridas pelo mundo.

Postar um comentário

Obrigada pela visita. Fique à vontade para dizer o que achou do post... Seus comentários são super bem-vindos... Um super beijo...

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Start typing and press Enter to search